A Vida em Braille

Enquanto o Brasil passava pela maior inflação de sua história e estava prestes a promulgar sua nova tão aguardada Constituição Federal, em 1988, um grupo de crianças, filhas de pioneiros vindos de diferentes estados do Brasil, brincavam nas ruas de Taguatinga e compartilhavam suas culturas, suas brincadeiras, suas histórias e seus sonhos. Os personagens principais têm dez anos em média e, apesar da pouca idade, enfrentam questões duras como a pobreza, alcoolismo dos pais e Ana, a \”líder intelectual\” do grupo, lida com a iminência de ficar cega, assim como sua doce mãe. As dificuldades e desafios passados na periferia da nova capital nos convidam a refletir sobre os valores e a conduta dos personagens sob uma perspectiva crua, porém, amorosa.